Notícias  » Jogos

100 DANONE!

       

Em virada histórica, Danonight vence Maestria por 3 x 1, fatura a divisão e termina com 100% de aproveitamento
Clima de decisão é sempre especial. Fumaceira, gritaria, transmissão ao vivo e, principalmente, torcida comparecendo em peso! A final do Chuteira 100|5 foi uma grande festa – até demais! A galera do Danonight apareceu uniformizada, e com ela vieram a fumaça laranja e os fogos de artifício (estes proibidos, gente! Vamos parar com isso!), sem contar a adrenalina, a pressão no adversário e aquela motivação extra. Não estaria errado quem dissesse que o apoio de fora empurrou o time dentro. Pois o Maestria sentiu, sim, a pressão, pouco agrediu após abrir o placar com menos de um minuto e não foi nem sombra daquele time empolgante e cheio de alternativas que se viu em outros momentos. Pelo contrário, o atual campeão do Chuteira Juniores foi um samba de uma nota só (no caso, Papinha) e caiu diante de um Danonight com muita, mas muita vontade de ser campeão. Gagol e Caio Mena, inspirados e decisivos, foram a cara desse Danonight avassalador.
 
Em quadra, os dois favoritos das casas de aposta. É verdade que chegaram por caminhos distintos, mas Maestria e Danonight sempre foram apontados como favoritos. O jogo começou tenso para a laranja mecânica. Antes mesmo de poder analisar a postura das equipes na cancha e do Danonight trocar seus primeiros passes, Perna lançou para Papinha e a defesa conseguiu cortar parcialmente. Soga brigou pelo melão, deu um totozinho para Papinha e recebeu de volta para estufar a rede de Johnny! 1 x 0 com menos de um minuto! Bem em frente aos torcedores do Danonight! 
 
Com o gol prematuro, o jogo ficou mais à feição do Maestria, que gosta de jogar no contra-ataque e em velocidade. Dito e feito! Caio Mena deu uma vacilada com a bola, viu Italo recuperar e puxar um dois contra dois em velocidade, tabelar com Soga e tentar a finalização rápida, mas a pelota deu uma escapada.
 
Peça chave na trajetória, o camisa 9 preto precisava aparecer para o Maestria ter chance. Do outro lado, pode-se dizer o mesmo a respeito de K10. E foi ele quem armou a primeira boa escapada do Danonight. Após receber na esquerda, viu a passagem de Bruninho e meteu um belíssimo toque de calcanhar! Bruninho sairia na cara de Bona, não fosse a falta cometida por Bologna, que já ficou pendurado com o amarelo desde o comecinho. Na cobrança, Gagol arriscou a primeira finalização dos laranjas – que jogaram de branco. A batida rasteira iria para fora, mas deu uma desviada em Zamba e saiu em escanteio, que deu em nada. 
 
Passados quase seis minutos de bola rolando, surgiu a primeira excelente chance do Danonight. Mahana levantou bola açucarada na área e Mamá desviou com estilo de cabeça. Bona olhou a bola passar a centímetros de sua trave direita! Uuuuuh! Na resposta, Papinha abriu bela bola na direita e Perna chegou finalizando. Johnny pegou com o pé! No mesmo ataque, Italo cobrou o escanteio na cabeça de Zamba, que testou firme para outra bela defesa de Johnny!
 
O Maestria era ligeiramente superior nos dez minutos iniciais. O Danonight passava longe de ser aquele time encantador da primeira fase, mas muito porque ainda não havia conseguido sair da forte marcação aurinegra. Soga fazia um bom princípio de peleja. Foi ele quem sofreu uma falta frontal na arrancada, resultando no amarelo de Gagol. Na cobrança, a bola de Papinha bateu no próprio Bologna e saiu. 
 
Como bom 9 que é (no caso, ele é duplo 9), Gagol precisava aparecer no ataque, não na defesa. E aos poucos ele começou a gostar do jogo. Depois de receber lindíssimo passe de Bruninho, ele ganhou bem demais de Zamba no corpo e encontrou a trave de Bona! Quase o empate! 
 
Sentindo talvez uma queda de rendimento do Maestria, a comissão do Danonight resolveu parar a partida. Assim que a bola voltou a rolar, Fanucchi tentou cruzar na área e Johnny estava ligadíssimo para tirar a bola que chegaria nos pés de Saad. O camisa 7 do Maestria, não contente, ficou com a sobra e acabou deixando o braço no rosto de Caio Mena. Amarelo para Saad e falta assinalada! Um minutinho depois, foi Fanucchi que parou a ultrapassagem de Caio Mena na base do agarrão. Duas faltas cometidas em menos de um minuto, demonstrando certo nervosismo do Maestria.
 
Aí apareceu o artilheiro, o matador. Guigou, que havia acabado de entrar (bem, por sinal), roubou a bola de Papinha e deu na direita para Gagol. O primeiro chute foi bloqueado por Bologna, mas a bola ficou quicando na frente do artilheiro, que soltou a bomba e não perdoou! 1 x 1! Tudo igual na decisão! 
 
A partir daí, não que o Danonight tenha dominado as ações, mas começou a gostar do jogo. Em uma blitz inacreditável, a virada ficou muito perto de acontecer. Primeiro, Gagol girou quase sem ângulo e deu trabalho para Bona. A espalmada caiu nos pés de Mamá, que tentou chutar e parou outra vez no arqueiro! A bola sobrou agora para Rodrigo, que, ao ter seu chute bloqueado, rolou de lado de novo para Mamá carimbar a forquilha de Bona!! Que lance absurdo! E a bola não entrou!
 
O final do primeiro tempo foi se aproximando e o jogo dando uma esfriada. Não nos ânimos, que seguiam quentíssimos, mas na bola. Papinha individualizava demais as jogadas e dificultava a construção dos maestros. Com o perdão do trocadilho, o maestro do time até cavava algumas faltas, mas segurava muito a redonda. Faltava apoio dos demais e jogar com ele.
 
E isso ficou claro quando, ao receber uma linda bola pela esquerda e sair costurando, ele poderia ter soltado a bola para Caio dentro da área, ou para Buza na direita. Resolveu costurar e Quintal foi preciso no corte. Na sobra, Buza deu belo drible em Bruninho e sofreu falta a um passo da área de Johnny! Caio bateu rasteiro e assustou o goleirão! Foi o lance derradeiro de perigo do Maestria na etapa inicial. Já do lado do Danonight, o último lance foi do sumido K10, que conseguiu girar dentro da área e exigiu bela intervenção de Bona. Seguia 1 x 1! Jogo aberto! 
 
Na volta do intervalo, a bola demorou um pouquinho para voltar a rolar por causa do show de fumaças coloridas atrás do gol defendido por Bona. A torcida laranja infernizou a vida do goleirão durante todo o segundo tempo. Enfim, passado esse início, o jogo começou na mesma toada que terminou. Sem muita fome dos jogadores no comecinho. Aliás, Papinha estava cheio de fome e o jogo do Maestria continuava se resumindo a suas arrancadas. Inclusive, em uma delas saiu a primeira falta do segundo tempo. K10 viu o 10 adversário driblá-lo e não teve dúvida, parou o lance! Não deu em nada. 
 
Assim como em todos os jogos, Fidel assumiu o gol do Danonight na etapa derradeira. No primeiro chute em sua direção, de Zamba, ele defendeu em dois tempos e deu uma assustada na torcida laranja. Entretanto, o ataque do Maestria estava completamente sumido. Soga e Italo não conseguiam fazer o que fizeram ao longo de toda a competição. Por mais que Soga tenha iniciado bem, não fez mais nada depois daqueles primeiros 10 minutos. 
 
Aos pouquinhos, o gol do Danonight parecia amadurecer. Em uma linda troca de passes entre Mahana, K10 e Gagol, o chute torto do camisa 10 quase enganou Bona, mas a bola pegou no próprio Mahana e espirrou. Bona ainda teve que se atirar na frente da pelota, já que Gagol tentava colocá-la no meio da confusão. Quase a virada! 
 
Na sequência, bola erguida na área do Danonight para Zeppini, sozinho, cabecear nas mãos de Bona. Um jogador do Maestria caiu na jogada e, enquanto Bona já fazia a ligação para Papinha, a arbitragem já parava o jogo. A reclamação foi que o camisa 10 sairia na cara do gol e seria “vantagem”, mas o jogo foi paralisado.  
 
Incrível como o Maestria não tinha outra jogada a não ser bola no Papinha. Em mais um belo drible, o camisa 10 foi parado com falta dura de Caio Mena, amarelado no lance. Saad bateu mal, armou um contra-ataque para o Danonight e ainda arrumou confusão com Léo Braz. A juizada, por sorte, não lhe deu a segunda tarjeta! O 7 laranja sim levou, e saiu barato até.
 
Até que, finalmente, o gol da virada, aos 13 minutos! Primeiro, Gagol meteu um chapéu em Simonsen, rolou para Bruninho e o viu carimbar a defesa. No escanteio, Mahana foi no terceiro andar, deu uma casquinha e a bola procurou o artilheiro no segundo pau. GaGOL! Virada e doblete! 2 x 1! 
 
Quando finalmente tomou a dianteira no placar, a torcida do Danonight extravasou de vez! E o Maestria murchou de vez. Se mesmo com o placar igual o jogo era muito concentrado em Papinha, quando eles precisaram correr atrás isso se acentuou ainda mais, facilitando a marcação danone. 
 
Depois do tempo pedido pelo Maestria, o professor André Spinelli não conseguiu arrumar muita coisa e o jogo voltou parecido. A cada minuto mais tenso, o Maestria cedia espaços para o Danonight rodar a pelota e não sofrer aquela pressão. Quando conseguia assustar, era mais por demérito do adversário do que por mérito próprio. No chute de longa distância de Caio, por exemplo, a bola escorregou das mãos de Fidel e, por muito pouco, não vimos um frangaço daqueles!
 
Com o final e o título próximo, a postura do Danonight era perfeita. Duplicava a marcação em Papinha, não sofria e ia levando a vitória. Até que, coroando a grande atuação ao longo do mata-mata e da decisão, Caio Mena recebeu a bola de Mamá, saiu frente a frente com Bona e decretou o título para o Danonight! 3 x 1! 
 
Já eram os acréscimos, não deu tempo de mais nada! Apito final para decretar o Danonight como o primeiro campeão do Chuteira 100|Chuteira 5! Em 8 jogos, 100% de aproveitamento! Melhor ataque da competição, artilheiro do certame (Gagol, com 12 gols), MVP da 1ª fase (K10) e MVP das finais (Caio Mena)! Torcida empolgada, barulhenta, presente! Em 2022, Maestria e Danonight tem tudo para protagonizar a disputa na Série Aço.
 
 
Ficha técnica
 
Maestria 1 x 3 Danonight – Final do Chuteira 100|Chuteira 5 
 
Gols: Soga (M); Gagol (2) e Caio Mena (D)
 
Cartões amarelos: Bologna e Saad (M); Caio Mena, Gagol e Léo Braz (D) 
 
MVPs: 1 – Caio Mena (Danonight); 2 – Gagol (Danonight); 3 – Papinha (Maestria) 
           
 
PREMIAÇÃO INDIVIDUAL
 
MVP – K10 (Danonight)

Artilheiro – Gagol (Danonight)

Melhor Goleiro – Carlão (Entre Amigos)

MVP das finais – Caio Mena (Danonight)

Comentários

Total (0)