Notícias  » Jogos

FERROLHO QUE FUNCIONA

       

Robinho comanda o ferrolho defensivo furioso e ajuda na vitória por 2 x 0 sobre o É o Centro Mané
Em partida de muita disputa física, o Fúria Futebol Arte aproveitou melhor as oportunidades e bateu o É o Centro Mané por 2 x 0. Com a vitória, a equipe subiu para 6 pontos e lidera o Grupo B; já o adversário segue sem pontuar.
 
A partida começou com o Mané tendo a posse de bola nos primeiros minutos, e o Fúria tentando marcar para aproveitar o contra golpe. A primeira oportunidade surgiu em saída errada do Fúria. A zaga saiu jogando errado e Marcão apareceu na frente do gol. De perna esquerda ele tentou colocar no canto direito de Sucão, que fez uma brilhante defesa colocando a bola para escanteio! Panela velha é que faz comida boa!
 
O É o Centro Mané aproveitava a bola aérea. Rodela ganhava todas as bolas por cima. De lateral em lateral, na base do famoso “Cucaball”, a equipe criava chances de gol. Rodela cabeceou a primeira para fora. A primeira chegada do Fúria foi em jogada de sorte após Sucão rifar a bola para frente. Leka finalizou, a bola passou por baixo das pernas de Fumaça, mas o goleiro Edu fez boa defesa.
 
Pelo outro lado, Rodela, com a camisa 99, seguia sendo o jogador de mais destaque na partida. Rodela subiu de cabeça no meio de dois zagueiros e viu Sucão crescer para fazer a defesa. Em seguida, após lateral batido por Ribas pelo lado esquerdo, Rodela cabeceou no travessão!
 
O Fúria tentava responder, mas o primeiro tempo era total do ÉOCM. Depois de dividir com a marcação, Rodela, no meio de dois zagueiros, chutou na trave. A bola passou por trás do arqueiro e Ribas não conseguiu aproveitar o rebote! Até então só um time levava perigo e parecia que o gol apareceria a qualquer momento. Parecia. Não foi o que acabou acontecendo.
 
O Fúria tentou sair mais para o jogo. Fábio Caruzo bateu lateral rápido para Thiago Motta, que chutou, mas foi bloqueado pela marcação. Neste momento, a equipe fez uma adaptação no sistema defensivo: Robinho, Douglas Luiz e Fábio passaram a jogar centralizados e não deram espaço para Rodela, centroavante que incomodava a defesa furiosa. Deu certo. Depois de sentir que o juiz não apitava qualquer tipo de falta, os defensores jogaram duro e tiraram o atacante do sério. Rodela passou a gastar mais tempo reclamando da arbitragem e deixou de ser perigoso. Impressionante como o nervosismo pode tirar alguém da partida.
 
Com a disputa muito física entre as equipes, Marcel aproveitou disputa de bola no meio da quadra, chutou com desvio da marcação. O goleiro defendeu com os pés no contrapé! Foi a melhor oportunidade do Fúria na primeira etapa. A equipe ajustava a marcação, mas não conseguia sair jogando. Japa não fazia boa partida ofensiva ou defensiva, existia algo que não encaixava no meio campo da equipe, então o excesso de ligação direta facilitou a vida do É o Centro Mané.
 
Depois do ajuste na marcação, apenas BC tinha liberdade pela esquerda, mas com o excesso de defensores ficou difícil cruzar a última linha de zagueiros do Fúria. A mudança fez o É o Centro Mané começar a errar passes fáceis, Zuba saiu jogando errado e Roberto Razuk bateu mal e para fora.
 
No intervalo, Felipinho foi para o jogo no lugar de Fábio e melhorou a marcação do lado direito do Fúria. BC começou a sentir uma marcação mano a mano, o último jogador desmarcado do É o Centro Mané.
 
A partida continuava muito estudada, não existia uma equipe que se atirava para o ataque. O jogo não era feio, era brigado, físico, tático (mudanças defensivas), com oportunidades e o 0 a 0 mostrava o quanto as duas equipes não davam espaço uma para a outra.
 
Já que o Fúria não conseguia sair jogando, Robinho começou a testar alguns chutes de longa distância. Em um deles, a bola desviou no caminho e quase foi parar dentro do gol. Com a marcação ajustada, a equipe começou a ganhar confiança para atacar, e em outra finalização de Robinho a bola quicou no chão e Edu fez grande defesa. A bola ainda tocou na trave e, no rebote, Leka chutou para fora! Que chance perdida!
 
A resposta do É o Centro Mané veio em cobrança de falta em que Marcão cruzou para Rodela cabecear e Sucão defender à queima-roupa. Que defesa! Os goleiros, até este momento, garantiam o empate no placar. A resposta foi imediata: no contra-ataque, Leka tocou para Japa perder o gol sozinho na frente do gol! Não!
 
Ufa! Finalmente um gol! Marcel Pedro saiu jogando curto pelo lado direito da defesa e tocou para Leka. O atacante chutou cruzado e, para a infelicidade de Foguinho, ele acabou empurrando contra a própria meta. 1 x 0!
 
Se a equipe tinha uma mentalidade defensiva antes, depois do gol o time ficou mais fincado no campo de defesa e chamando o adversário. Quando o É Centro Mané conseguia uma jogada, era interrompido com faltas. O desespero tomava conta conforme o tempo passava e o time ficou todo desorganizado na defesa. Desse jeito, o Fúria matou o jogo: Matheus Neves, pela direita, tabelou com Leka e chutou cruzado para fazer o gol que selou o placar. 2 x 0!
 
Não era o dia do É o Centro Mané. Depois do segundo gol sofrido, a equipe perdeu completamente a cabeça e reclamava cada vez mais com a arbitragem. Foi assim até o apito final. Líder, o Fúria defende a posição ante o Rabisco. Já o EOCM tenta melhor sorte diante do Maestria.
 
Ficha Técnica
 
Fúria Futebol Arte 2 x 0 É o Centro Mané – 2ª rodada do Grupo B do XV Chuteira de Aço
 
Gols: Leka e Matheus Neves (F)
 
Cartões amarelos: Thiago Motta (F); JD (EOCM)
 
MVPs: 1 - Robinho (Fúria), 2 - Leka (Fúria), 3 - Marcão (É o Centro Mané)

Comentários

Total (0)