Notícias  » Ouro

FINAL # OURO – De sábado não passa!

           

Final da 29ª edição da Série Ouro coloca frente a frente o rápido ataque do Torce Contra contra o lado copeiro e equilibrado do Wake ‘n’ Bake
Duas equipes técnicas, contemporâneas e letais. Ladies and Gentlemen: A final da Série Ouro bate na nossa janela e falta pouco para conhecermos o inédito campeão! Desse sábado não passa! Sim, depois de dois anos e meio, enfim saberemos quem será o sucessor do Baixada de Munique no trono dourado. Foram quase dois meses de bola rolando, 211 gols (média de 5,86 gols por partida), muitas histórias contadas e dois sobreviventes. De um lado, o Torce Contra, segundo melhor ataque do torneio (30 gols) e venceu as últimas seis partidas. Do outro, o Wake ‘n’ Bake, bicampeão da Copa Red & Blue, vice-campeão do Chuteira 100|Ouro, acostumado a levantar caneco, grupo equilibrado, copeiro e único invicto (se você não contar a derrota por WO na estreia, o Torce Contra não só está invicto como 100%). Sentem o cheiro de JOGÃO no ar?
 
Sim, amigos, são duas esquadras que iniciaram a trajetória chuteirense com diferença de um semestre. O Wake ‘n’ Bake era campeão do IV Chuteira 5 quando o Torce Contra mostraria o seu talento ao levantar a Copa Apertura de 2016. Meses depois, enquanto a turma de Leite derrotaria o seu “freguês” Mulekinhos na decisão do VII Chuteira de Aço, a tropa de Xavier golearia o Spartacus para coroar o título do V Chuteira 5 (ler aqui). Pelo lado padeiro, o vice-campeonato da I Copa HUA dos Campeões contra o Nois Que Soma em 2017 (ler aqui) mostrou que o grupo era capaz de bater de frente com qualquer equipe da principal divisão e, quem sabe, ser a nova “dinastia” quando Mulekes e NQS saíssem de cena – o vice-campeonato do Chuteira 100 lOuro e o bicampeonato da Red & Blue confirmam as previsões.
 
Enquanto isso, o time do enérgico Dener Germano levaria o XIX Chuteira de Prata em 2018 com uma goleada sobre o StarFucks (ler aqui), deu trabalho ao chegar na principal divisão e caiu de pé nas quartas de final para o Nois Que Soma. Aliás, os pentacampeões foram a pedra no sapato azul na III Copa ALOT dos Campeões (2019), quando perderam por 4 x 1. Depois de um longo hiato, eis que a turma do ‘Professor’ Xavier está de volta e com apetite de levantar mais um caneco.

 

Campanhas
 
O sorteio colocou as duas equipes em chaves distintas. O Torce Contra tinha os “calouros” Leleks, Magnatas, Olimpo e Vendetta, além do experiente e estrelado Invictus. A estreia contra o atual campeão da Copa Apertura não aconteceu e a derrota por W.O. deixou a turma azul com pontuação negativa. Aliás, a próxima edição “deve” um embate entre eles, fica a dica! Nos embates ante os ‘rookies’, zero dificuldade, embora quase se complicou diante do Magnatas, quando abriu 4 x 0 e permitiu a reação. No final das contas, Xavier anotou o tento salvador e os três pontos foram para os celestes. Leleks, Olimpo e Vendetta não ofereceram resistência e o 2º lugar do Grupo A estava confirmado.
 
Nas quartas de final, o “encardido” MachuPichu quase fez história ao terminar a primeira parte com vitória por 3 x 1, porém, o segundo tempo foi diferente e o gol de Kinhas nos acréscimos espantou qualquer chance de eliminação precoce. O reencontro com o Olimpo foi tranquilo, apesar de ter sofrido na primeira etapa por conta do sistema defensivo adversário. João Gualtieri não sujou o uniforme, enquanto Guilherme Alves e Kinhas (outra vez!) resolveram na zona ofensiva.
 
O Wake ‘n’ Bake estava do lado “pesado” com três equipes que jogaram pelo menos uma vez a Ouro (Coisa Rara, MachuPichu e TeJanto) e dois estreantes (Cachorro Velho e IMZT). A estreia contra o TeJanto foi sofrida e os três pontos saíram graças à jogada aérea, aproveitadas por Lipe e Luigi. Na sequência veio o empate em um gol diante do MachuPichu, e quase deixou dois pontos escaparem contra o Cachorro Velho. O segundo triunfo veio nos acréscimos com o gol de Alê Orsi. A equipe fechou sua participação empatando com o IMZT em 3 x 3 e goleou o Coisa Rara por 4 x 1, com direito a três gols de Cury.
 
Na fase final, goleada sobre o Vendetta por 4 x 1 e golaço de Cutait da quadra defensiva, e a semifinal contra o Invictus foi de arrepiar com 2 x 2 nos 60 minutos e o arqueiro virou herói nas disputas de shoot outs.
 
Raio-X das equipes
 
São duas equipes técnicas que sabem o que fazer com a bola. Começando pelo Torce Contra, o ponto forte está em sua linha de criação. Xavier e Pedalástico controlam o melão como poucos e gostam de deixar seus companheiros em condições de marcar. O time de Dener ganhou dois jogadores que causam um tumulto pelas alas: Interior e Kinhas. A dupla, que virou até ‘shipada’ por este repórter (‘InterKinhas’), dividem a artilharia do certame com seis gols. Intera está acostumado a ser artilheiro da principal divisão chuteirense. Na edição 27, o ‘habilidoso’ marcou 17 vezes pelo Catado, porém, foi vice-campeão. Além disso, no Chuteira 100lOuro anotou 8 tentos e levantou dois canecos: campeão pelo Mulekes e artilheiro. Na reta final, Kinhas virou peça importante por conta dos gols decisivos. Na épica virada contra o MachuPichu, o ‘endiabrado’ iniciou a reação e anotou o tento da classificação. Já ante o Olimpo, marcou um golaço após passe de Felipinho e quase furou a rede de Marcelo Pimentel. É forte candidato ao prêmio de MVP das Finais.
 
Por outro lado, o plantel de Dener sofre com a inconstância dentro de quadra. É acostumado a abrir vantagem na primeira parte do jogo, mas desliga e permite com que o adversário acorde, vide o exemplo contra o Magnatas, pela 3ª rodada. Outra prova é a quartas de final ante os peruanos, quando fez um primeiro tempo para ser esquecido e precisou suar sangue para virar um duelo quase perdido. O “mapa da mina” para o WB pode estar nesse aspecto, enquanto o TC, caso queira ser campeão, é bom ficar com o despertador colado ao corpo, pois é proibido dormir em final.
 
Pelo Wake ‘n’ Bake, o equilíbrio é o ponto forte. Cutait é o paredão desta edição, posição em que Gino ocupou um bom tempo e não decepcionou. O arqueiro tem facilidade em sair com os pés e ainda contribui no ataque. Nos dois últimos jogos, o goleirão marcou um golaço contra o Vendetta, deu um passe para o gol de Augusto e ainda pegou dois shoot outs contra o Invictus, sem falar das importantes defesas na prorrogação. É candidatíssimo a entrar na seleção do campeonato. Luigi e Leite jogam por música no setor defensivo – o segundo melhor desta edição, com 11 gols sofridos –, enquanto a linha de três com GDS, Lipe e Batah (ou Poeirinha, como preferir) abastece o pivô Cury, autor de cinco gols na competição. Não há um nome para dizer que é o “cara” do time. Se no Chuteira 100lOuro, Lipe e GDS foram os destaques com passes e gols importantes, na atual edição dourada, o camisa 30 chama a responsabilidade por conta da velocidade e facilidade para finalizar. Poeirinha registrou dois gols e é bom a defesa azul ficar de olho nele!
 
Outro ponto positivo é a capacidade de buscar o resultado. Dos sete jogos, em cinco a equipe precisou empatar ou virar a mesa. Remontadas contra TeJanto, Cachorro Velho e Coisa Rara, e igualdade diante de MachuPichu e IMZT. É ou não é o time da virada?
 
No entanto, é bom ficar atento em não estacionar o ‘busão’ dentro da área, pois, contra uma equipe habilidosa como o Torce Contra, pode virar um verdadeiro convite. Contra o Invictus, o WB foi dominado no segundo tempo, a ponto de levar o empate, e se não fosse Cutait no overtime, a maionese teria desandado. Ficar atrás faz parte da strategy, porém, é bom ficar ligado.
 
Quem vence?

As duas equipes se enfrentaram quatro vezes desde o ingresso ao mundo chuteirense e dois triunfos para cada lado. Haja equilíbrio, hein! Os padeiros levaram a melhor na I Copa HUA dos Campeões em 2017 por 5 x 2, e na Série Prata do mesmo ano (5 x 1), com direito a acesso para Luigi e cia. nas rodadas seguintes (ler aqui). Já o TC venceu os dois duelos válidos pela Ouro em 2019: 2 x 0 na 27ª edição; e 4 x 3 pela 28ª edição, com direito a gol de goleiro – não foi o Cutait, e sim, Diego, arqueiro contrista (ler aqui).
 
São dois times técnicos e acostumados com finais. O Wake ‘n’ Bake é mais equilibrado em seus setores e tem aquela força em buscar o resultado para deixar qualquer esquadra com inveja. O Torce Contra tem dois ponteiros que desequilibram, porém, é time de meio-período, e caso queira ser campeão terá que ficar ligado durante os 50 minutos. Duelo decidido nos mínimos detalhes, o Estádio Chuteira de Ouro 14 está pronto para receber os astros do espetáculo e todos os ingressos vendidos. Deste sábado não passa de conhecermos o novo herdeiro do trono dourado. Independente de quem for, o cetro ficará em boas mãos.

Comentários

Total (0)